top of page

O que esperar do tratamento psicológico para compulsão alimentar?

Para entender como se dá o tratamento psicológico para transtornos alimentares, é necessário entender o funcionamento mental de pessoas com transtornos alimentares.

A principal característica da compulsão alimentar é a noção de perda de controle e está relacionada à impulsividade. Eventos estressores podem ter influência para o início do aparecimento do transtorno da compulsão alimentar, como o término de relacionamentos amorosos, a morte de pessoas próximas e problemas financeiros. Além disso, o comportamento alimentar disfuncional está diretamente ligado a quadros de depressão e ansiedade.



Indivíduos com compulsão alimentar que relatam perda de controle, apresentam baixo desempenho nas habilidades cognitivas. Déficits nessas funções podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento e na manutenção de episódios de compulsão, pois essas funções cognitivas são essenciais para o controle de impulsos.


Uma supervalorização da forma corporal e auto percepção distorcida e ou descontente pode ser fundamental para o diagnóstico, além de elementos externos, como a imposição de padrões de beleza e uma cobrança do próprio indivíduo na busca de um corpo ideal.


No transtorno da compulsão alimentar há grande atenção aos estereótipos sociais e ao formato corporal, acompanhada de sentimentos de vergonha e inferioridade. A redução do peso deve ser obtida através de modificações graduais de hábitos alimentares.


No tratamento são fornecidas informações sobre nutrição para ajudar a paciente a fazer escolhas adequadas de alimentos, com flexibilidade para evitar o pensamento "tudo ou nada". São também implementadas estratégias para controle de estímulos, que consistem na diminuição da exposição da paciente às condições que facilitam alimentação inadequada como, por exemplo, diminuir a exposição a alimentos que devem ser ingeridos em baixa freqüência. Além disso, modificam-se as crenças relacionadas a peso e formato corporal e alcançando um equilíbrio entre auto-aceitação e mudança.



bottom of page