top of page

Ativando comportamentos funcionais na Depressão | Psicóloga Maisa Lanzarin

A partir de uma análise comportamental, percebemos que as alterações de humor na depressão têm sido apontadas como sendo função de mudanças nas relações comportamentais que o indivíduo estabelece com o seu ambiente. Assim, durante um episódio depressivo, alguns comportamentos positivos do indivíduo diminuiriam de frequência, se comparados às fases em que não se encontra nesta condição – como estudar, trabalhar ou envolver-se em eventos. Isso porque a irritabilidade, os pensamentos recorrentes de morte ou os componentes operantes envolvidos no humor deprimido, como a falta de esperança, as ideações suicidas e as ruminações geram fuga e esquiva ao que são considerados eventos aversivos. Para um depressivo severo, por exemplo, o simples levantar-se pela manhã pode colocá-lo em condições aversivas, como ter que interagir com familiares ou cumprir as demandas diárias.


Assim, a fim de ativar um comportamento funcional na pessoa com depressão, busca-se atividades relacionadas aos seus valores de vida, onde ela é convidada a listar, em uma tabela, os valores pessoais em que esteve envolvida ou nos quais gostaria de se envolver.


Um recurso utilizado em psicoterapia na abordagem da Ativação Comportamental é a agenda diária de atividades (referida também como Agenda dos Eventos Prazerosos de Lewinsohn). Ela é utilizada na avaliação inicial do repertório comportamental de entrada e para comparação posterior, ponto a ponto, dos avanços do paciente ao longo das semanas. Através dela, identifica-se os contextos em que ocorrem as esquivas e programa-se o enfrentamento das situações que geram essas esquivas. Registram-se as atividades e a seus contextos antecedentes, além dos sentimentos eliciados (ex: pacientes preenchem a colunas com informações sobre o que fizeram, onde fizeram e o sentimento que tiveram).


Para a definição das atividades são abordadas as seguintes áreas:

  1. relacionamentos familiares,

  2. relacionamentos sociais,

  3. relacionamentos íntimos,

  4. educação/treinamento,

  5. emprego/carreira,

  6. hobbies/recreação,

  7. serviço voluntário/caridade/atividades políticas,

  8. atividades físicas/hábitos de saúde,

  9. espiritualidade,

  10. questões psicológicas/emocionais.


As atividades de ativação são orientadas pelo próprio paciente, de acordo com seus valores pessoais, a fim de que haja um significado maior para este, servindo como operação motivadora para o engajamento na ativação.


Além da agenda dos eventos, aborda-se as faltas de habilidades para o enfrentamento ativo. As habilidades podem ser sociais ou não sociais, como as acadêmicas ou profissionais.

Gostaria de saber mais ou agendar um horário? Clique aqui para entrar em contato.

bottom of page